Boas Vindas

Bem Vindos!!!!!!

bem-vindos

É com grande alegria que inicio dando BOAS VINDAS a todos que aqui passarem.

Quero aqui propor reflexões, troca de experiências, informações e ajudas nos temas relacionados á Psicanálise, Psicopedagogia, Maternidade e Desenvolvimento Infantil, que geram interesse e curiosidade. Promover também um espaço para expansão do conhecimento clínico e analítico com base na Psicanálise Freudiana e também, incluindo outros autores seguidores de Sigmund Freud que contribuirão e contribuem ricamente para a extensão da teoria. Autores estes como Melanie Klein, Wilfred Bion, Donald Winnicott, dentre outros.

Utilizando da Psicanálise do Acolhimento, Tratamente é um espaço aberto para assuntos emocionais e psíquicos, para expansão do pensar e o compartilhar de experiências. Por isso convido você a interagir pelo site ou pelo e-mail contato.tratamente@gmail.com

Quero Agradecer a participação e o carinho de todos que contribuírem para o crescimento e o conhecimento que for gerado a partir daqui. MUITO OBRIGADO!!!

“As mentes criativas são capazes de sobreviver a qualquer tipo de mau treinamento” – Anna Freud

Conceito, Reflexões

AutoCuidado

Por Débora Maciel – Psicanalista

O AutoCuidado é criado logo depois do nascimento e vai se desenvolvendo com o passar do tempo.
Para que na fase adulta essa pessoa consiga ter apreço consigo e o AutoCuidado, é preciso que tenha vivido isso antes. Que alguém tenha cuidado dela e ela sentido o toque, a sensação de estímulo da pele.
Quando a mãe dá banho no bebê, troca, passa creme ou óleo em seu corpinho, está levando ele a uma experiência única. Essa sensação de ser cuidado, de ser acolhido vai gerar nesse bebê o AutoCuidado e isso ninguém poderá tirar dele. Toda vez que ele mesmo, quando adulto, tocar em si, pentear seus cabelos, passar creme em seu corpo terá uma sensação agradável que remeterá seu inconsciente aquela sensação que tinha quando sua mãe cuidava dele.
Dessa forma conseguirá cuidar de si e de quem dele depende.
É importante compreender que todo excesso é adoecido, ou seja, aquelas pessoas que tem por si um cuidado que vai além, como cirurgias plásticas, esforços desmedidos  com exercícios físicos, roupas, maquiagens, etc. Ou aqueles que nem conseguem domar banho com frequência, escovar os dentes, cuidar de seus cabelos, etc, estão no excesso para mais e para menos, demonstrando um adoecimento em cada situação.
O AutoCuidado na medida é um reconhecimento de si próprio. É olhar para si com amor e dar a manutenção devida ao corpo, alma e mente.
O AutoCuidado também está relacionado a questões internas, como respeito próprio, cuidado espiritual e mental. Quando a pessoa, mesmo tendo sido cuidada quando pequena, começa a deixar de cuidar de si, pode significar um interior desnutrido. Para que o exterior esteja bem é preciso um movimento de dentro para fora, o interior é o que reflete todo o exterior. Mesmo que em determinados momentos a pessoa consiga sustentar um exterior intocável, se o interior estiver deficitário logo será difícil sustentar algo aparente e se manifestará seu interior sofrido.
AutoCuidado também está relacionado ao respeito próprio ao cuidado com os limites, sendo tido quando necessário. Para isso é preciso ouvir seu Eu que fala, muitas vezes baixinho por ter sido negligenciado, mas ele fala e quer ser ouvido e cuidado.
Diante de uma escolha de um início para o AutoCuidado, o interessante é que possa ser de dentro para fora, pois com o Eu olhado, cuidado e respeitado todo o corpo (exterior) refletirá e passará a ser cuidado também.
Todos nós precisamos de equilíbrio em todos os sentidos, mas nem sempre esse equilíbrio se consegue sozinho. É preciso ter sido desenvolvido um AutoCuidado para ser capaz de pedir ajuda e procurar o equilíbrio em cada área. O equilíbrio total é impossível, mas o equilíbrio para que as coisas funcionem de forma mais engrenada é possível encontrar.


Faça Análise, se permita.

Faça parte do Grupo de Estudos em Psicanálise, Ludoterapia e/ou Formulações Religiosas.

Entre em contato: (16) 98220-8272

Conceito

Análise Pessoal para um Psicanalista

Psicanálise do Acolhimento

Por Débora Maciel – Psicanalista/Psicopedagoga

A Análise pessoal é uma das exigências do Tripé da Psicanálise (Análise Pessoal, Estudo das Teorias e Supervisão).
Para um Psicanalista é muito importante fazer Análise Pessoal, pois é ela que dará a maior base para um atendimento psicanalítico. Se a análise do Psicanalista for rasa ou inexistente, o seu atendimento também será raso, sem condições de levar seu paciente a camadas mais profundas do inconsciente. É preciso que ele tenha ido até mais fundo para conhecer o caminho e conseguir estar com seu paciente lá também, compreendendo o quanto é dolorido e que o tempo do paciente é importantíssimo para a expansão da Análise Pessoal.
Infelizmente, hoje se vê profissionais se dizendo qualificado e atendendo sem esse preparo. O que, considero eu, um desrespeito ao paciente, como também, uma certa crueldade, pois o profissional sem as ferramentas necessárias pode causar mais estrago e piorar a situação do paciente.
Outros se julgam tão experientes que acreditam não precisar mais dessa ferramenta e, em algum momento irão travar a análise do seu paciente, pois entrará em conflito com a sua verdade e ele não terá o preparo para lidar com ela sozinho, não conseguindo levar seu paciente além.
Para estar com o paciente de coração nessa caminhada é preciso cuidar de si, é preciso manter o Tripé, é preciso respeitar a si e o seu tempo para respeitar o paciente e o tempo dele.
Para se qualificar Psicanalista o mesmo precisa acreditar na Psicanálise e manter seu tripé em dia, mesmo sendo doloroso, mesmo sendo difícil, caso contrário, não pode se nomear realmente Psicanalista.
.
Faça parte do Grupo de Estudos. Entre em contato.

Boas Vindas, Conceito

O Silêncio…

O silêncio de Deus e o nosso silêncio – Diocese de União da Vitória –  Paraná – Brasil

Por Débora Maciel – Psicoterapeuta

O silêncio muitas vezes é desejado e outras é um martírio.
Se quer por perto e outras se quer longe.
As vezes é confortável e outras é insuportável.
Nele se pensa, nele se repensa…
Nele se chora, nele se encontra…
A busca é cruel e encontrar é distante.
O silêncio, às vezes, se torna intocável e as vezes inalcançável.
Pode ser difícil de se encontrar e a busca pode ser exaustiva.
É fato que nele muito se acontece, o mover é presente.
É fato que é dolorido e pode ser exaustivo.
Quem nunca se encontrou num silêncio total e até se perdeu, quando voltou nem sabia onde se encontrava.
Quem nunca precisou e tirou dele algo que de longe buscava.
Quem nunca usou dele os momentos que nem imaginava.
Quem nunca necessitou, pelo menos um segundo, do silêncio de seu ser, do silêncio de sua alma.
Alma… Alma… Essa alma que grita, que se esconde, que se manifesta até sem ser solicitada. Alma que pulsa e que vibra cada segundo, não para e nunca vai parar. É ela que nos faz, é ela que precisa de silêncio para pensar, para realizar, para compreender e amadurecer o ser que está a frente, a caminhar.
E é no silencioso que encontra paz, no silencioso que encontra respostas.
No silencioso que encontra amor.
No silencioso que encontra respeito.
No silencioso que encontra renovo.
E, depois de passar pelo silêncio é possível perceber que ele era necessário, que ele era fundamental. Porém só depois de passar por ele que se pode reconhecer o quanto ele é essencial.

Faça Análise, se permita.

Credito imagem: dioceseunivitoria.org.br

Boas Vindas, Grupo de Estudos

INÍCIO DA CLÍNICA EM PSICANÁLISE

GRUPO DE ESTUDOS: INÍCIO DA CLÍNICA – PSICANÁLISE


Inicia em 18/11 às 10h.


Para você que é estudante ou está iniciando seus atendimento ou profissionais da área, venha fazer parte do Grupo de Estudos em Início da Clínica em Psicanálise.
Será abordado assuntos relevantes para clinicar e as principais teorias básicas para o atendimento.
Encontros Online e ao Vivo.
Aulas gravadas com acesso por 30 dias.
E acesso ao grupo pelo whatsapp para tirar dúvidas.


Investimentos de R$70,00 por mês.

Entre em contato (16) 98220-8272

Coordenação:
Débora Maciel – Psicoterapeuta
E
Vanessa Meneleu- Psicanalista

Sem categoria

Ser Integrado

Na Psicanálise do Acolhimento o ser é visto como único, com um todo e se trabalha integrá-lo. Não dá para trabalhar só com o Profissional, só com o Emocional, só com o Pessoal, tudo é uma pessoa só e vive em um único ser.
Integrar não é fácil, mas a integração é importante, pois sustentar uma imagem que não é real é cansativo e desgastante. O processo de se integrar é continuo e uma busca diária.
O ser pode se desestabilizar e qualquer mudança pode ser assustadora, mas quando o ser está integrado o impacto e menor e a recuperação é certa.
O processo de integração não é possível sozinho, é preciso Apoio, Amor e Acolhimento. Um local seguro que torne possível sentir o que não se pode sentir antes, para tornar possível um olhar diferenciado, para aquilo que se achou ser e não é, para Realmente viver uma nova experiência e isso se estender para todas as áreas.
VIVER INTEGRADO É LEVE, TRAZ PAZ E RECONHECIMENTO DE SI MESMO.
Talvez possa parecer impossível, mas não é, quando se inicia esse processo não dá para voltar, é impossível retornar. Pois se conhece um mundo que achava não existir e se descobre que ele é real e que agora se pode SER TOTALMENTE LIVRE de tudo que prendia, de tudo que escravizava, de tudo que maltratava.
Talvez você se pergunte… Até quando viver uma vida que não quer?? A resposta é: Até quando você resolva REALMENTE MUDAR e tenha esperança que a MUDANÇA É POSSÍVEL.


Débora Maciel – Psicoterapeuta
(16) 98220-8272
http://www.tratamente.com.br
.
Faça parte do Grupo de Estudos Online em Psicanálise e Ludoterapia. Entre em contato.

Tentantes|Gestantes|Maes

Dia da Gestante

Grávida do Miguel e Gabriel

❤️Dia da Gestante❤️
Não podia deixar de postar essas duas melhores versões de mim.
Gabriel e Miguel, meus amados filhos!!!
Sou grata a Deus por ter me dado a dádiva de gerar dois seres maravilhoso e de ser mãe desses meninos, uma missão diária e eterna.
Amei ser Gestante, amei meus barrigões.

Conceito

Sentimentos Essenciais: FÉ

Por Débora Maciel – Psicoterapeuta @tratamente.deboramaciel

SENTIMENTOS ESSENCIAIS: ❤️❤️

Começo hoje uma Série na qual destacarei SENTIMENTOS ESSENCIAIS que precisamos ter para que haja um futuro melhor em nós.

Hoje quero trazer o sentimento de FÉ que se não existir não é possível nem operar milagres, e Jesus deixou isso bem claro nessa passagem Bíblica…

“Jesus não pôde fazer muitos milagres ali porque eles não tinham fé.” Mateus 13:58.

Dentre vários versículo bíblicos, escolhi esse, pois ele nos mostra mais do que o valor da fé, ele mostra que com a fé é possível alcançar algo que já não se tenha esperança, um milagre. E que para se alcançar um milagre é preciso da fé.

No contexto desse versículo, a bíblia nos mostra que Jesus estava de volta a Nazaré, sua cidade, e que Ele poderia ter feito muitos milagres ali, ou seja, Ele não deixou de fazê-los, mas Ele poderia ter operado muito mais, porém o povo não acreditou Nele, não teve fé em Jesus, em seus milagres. Com isso Jesus ficou impossibilitado de operar mais milagres em Nazaré. De alcançar mais vidas.

Em meu caminhar percebo a cada dia o valor desse sentimento e tenho utilizado muito dele em tudo que faço.

Sem a FÉ se torna impossível acreditar no amanhã e viver uma vida de esperança. Por isso também ouso dizer que a fé é mais que um sentimento. É um meio de se ver as situações da vida. De trazer a realidade o que se encontra no desconhecido, pois aquilo pode dar outro sentido a nossa vida.

TENHA FÉ, independente da situação que você esteja vivendo agora ou do milagre que precise, TENHA FÉ.

Não deixe de alcançar milagres em sua vida por não ter fé, ACREDITE E CREIA.

A fé é o início da ESPERANÇA. Com ela é possível acreditar em algo que não se vê, que ainda não se encontra ali, que não é concreto. É acreditar em sua mente, antes mesmo de poder enxergar.

A FÉ com certeza faz a diferença no desenrolar de uma história e de uma vida..E você, se lembra de algum momento em sua vida no qual precisou utilizar a FÉ?

No vídeo abaixo falo um pouco mais sobre esse Sentimento Essencial. Aprecie o Vídeo, Comente, Compartilhe, Acesse o Canal TrataMente Psicoterapia – por Débora Maciel [https://www.youtube.com/channel/UC2PSMMvOMlbcUunefRNyW3w/videos] e nos siga para conhecer e ver outros vídeos.

Deixe nos comentários sua experiência.

Sentimentos Essenciais: FÉ
Grupo de Mães

Grupo MaterMente

Grupo MaterMente
Convite Especial para Gestantes e Mães

O Grupo MaterMente iniciará 09/07 e se reunirá toda quinta às 16h, com investimento Simbólico de apenas R$50,00/mês você:
✓Participará de encontros Semanais de 1h, abordando Assuntos elacionados a Maternidade, apresentados de forma Tranquila e Acolhedora, levando a Expansão do Pensar e Agir Materno.
✓Terá acesso ao Grupo Vip, onde são compartilhados Dúvidas, Medos e Experiências com a Maternidade entre as mães do grupo.
✓Apoio com Relação a Fases Infantis, como Sono, Amamentação, Desfralde, Birras, dentre outras.
✓Os Encontro acontecerão Online e ficam disponíveis por 30 dias pela plataforma e são conduzidos pela Psicoterapeuta Débora Maciel, que já está em contato com o mundo Materno há 7 anos, como Profissional da Saúde Psíquica Perinatal e Materna e, há 6 anos na prática, como Mãe do Gabriel e 1 ano e meio do Miguel.
Venha ouvir seu lado Materno e entrar em contato com uma Maternidade mais Leve e Presente, Sem tantas Culpas e Sem tantos Medos
Te espero!!
Débora Maciel – Psicoterapeuta
(16) 98220-8272

Boas Vindas, Grupo de Estudos

Grupo GEPA

O GEPA é um grupo composto por pensadores que conscientes de sua ignorância estão em busca de aprender com as experiências.A fundamentação do grupo é a de uma psicanálise com a premissa do acolhimento, carecendo de elementos que não podem manter-se tão somente no plano teórico, mas que devem transcender e manifestar-se nas experiências dos vínculos. Isso é o que promove um movimento terapêutico no nível psíquico. Para tanto, mais do que dotes intelectuais, a maturidade emocional é imprescindível.A proposta é de ir para além do nível do saber sobre o outro, para se expandir na dimensão do ser para o outro.

Coordenação: Prof. Renato Dias Martino

Conheça o Site Gepa: https://www.gepa.com.br/

Participe dos Grupos:

Grupo de Estudos em Psicanalise

GRUPO DE ESTUDOS PSICANALÍTICOS: LUDOTERAPIA

Venha fazer parte do Grupo GEPA você também!!!

Apresentação Grupo Gepa – Grupo de Estudos em Psicanálise do Acolhimento
Tentantes|Gestantes|Maes

Maternidade Real


Por Débora Maciel – Psicoterapeuta

A maternidade real é muito diferente da maternidade apresentada em comerciais de publicidade ou aquela maternidade sonhada. Estas seriam uma maternidade perfeita a qual não é possível existir, pois nelas as mães são perfeitas e, na realidade, a mãe é humana e não super mãe ou super mulher.

Uma maternidade real é onde a mãe cuida de seus filhos, passa tempo estudando sobre maternidade, faz comida, lava, passa, limpa, dá banho, troca, acalma, acalenta, amamenta, brinca, fica com a cria no colo por horas, só porque ela não quer ficar brincando ou assistindo tv e só chora. Na maternidade real a mãe acorda a noite quando o bebê chora, ou apenas para ter certeza que está tudo bem, quando ele dorme bem a noite toda. 

Ela faz dormir, ela aprende a fazer lanchinhos diferentes para que ele tenha uma refeição entre as principais refeições.

Na maternidade real essa mãe também é mulher e chora, tem seus desafios, seus limites, precisa de apoio e carinho, precisa dormir, comer e de um banho. Precisa se sentir gente, ser acolhida, precisa de cuidado. Ela sofre quando não consegue ser mãe, ela sofre quando se sente sozinha, ela sofre por seu bebê.

Na maternidade real essa mãe vai precisar do pai para estar com ela, para apoiá-la, para dar força, para ser seus braços quando ela não puder cuidar de todo o resto. O pai será necessário, nesse primeiro momento, como companheiro da mãe, é nesse momento que ele inicia a paternidade, cuidando da mãe, para que ela possa desenvolver a maternidade de mãe Suficientemente Boa. 

Quem foi que disse que o pai não faz falta!?!?!? Sem o pai a mãe precisa ser muito mais do que ser presente para o bebê, sem o pai a função materna fica debilitada e sem o pai, mãe e bebê terão perdas que repercurtirão no presente e no futuro de ambos.

Para uma criação mínima saudável possível não dá para falar de maternidade sem falar de paternidade. A criança que tiver a falta de um pai ou uma mãe terá um vazio, não dá para negar que esse vazio estará lá e essa criança terá que lidar com isso para que esse vazio cause menos perdas e menos temores e solidão, da forma que for possível para ela.

Ninguém quer estar nessa posição, a perda ou a inexistência de uma das funções ou de ambas causam dores enormes e um vazio impossível de nomear. 

Pior que ser mãe sem pai ou pai sem mãe, filho sem mãe ou sem pai ou sem ambos é tê-los e eles não desempenharem suas funções, se tornando ausentes por algum motivo, isso é cruel para uma criança que anseia e espera a presença, que tem espectativas de tê-los mas não os tem.

A maternidade e a paternidade são coisa séria, não é brincar de boneca não. E desempenhar uma função materna ou uma função paterna não é nada fácil, porém não é impossível quando se quer e se está na relação para se criar e manter vínculos.

Ser mãe ou ser pai não é ser super herói, é sim desempenhar um papel Suficientemente Bom, com mais presença e menos ausência, com mais escuta e vínculos e menos pretensão, com mais realidade de erros e acertos, pedidos de desculpa e tentativas de fazer melhor que da última vez. É ser humano, respeitar e ensinar que somos passíveis de erros e temos limites, que se pode permitir sentir dor e ser imperfeito na tentativa de ser melhor a cada dia.

Crédito da foto: direcionalescolas.com.br